Pretendo aqui neste humilde espaço defender quem ainda não se pode defender, pessoal e conscientemente entendo que a partir do momento em que o espermatozóide fertiliza o óvulo.

UMA NOVA VIDA COMEÇOU


Nos os países da União Europeia

SOS criança desaparecida
número a marcar: 116000

Sábado, 30 de Dezembro de 2006

Licença para matar

 

Liberalização do aborto
" Licença para matar "

A proposta do governo para realização do novo referendo e projecto para alteração da lei sobre o aborto: “Concorda que deixa de constituir crime o aborto realizado nas 10 primeiras semanas da gravidez com o consentimento da mulher em estabelecimento legal de saúde?”

Desenvolvimento da vida humana no útero da mulher
 Tempo de desenvolvimento

2 Dias O óvulo, agora já dividido, faz uma perigosa viagem de três dias até ao útero.
4 Dias Deslizando para o interior do útero, as células escolhem o melhor local para instalar-se durante as próximas 39 semanas.
8 Dias Inicia-se a reprodução de um hormônio que avisa o ovário – que reproduz o óvulo – para fabricar outro hormônio, a progesterona, que informa a glândula pituitária localizada no cérebro, que a mulher está grávida e portanto, não menstruará durante esse período. Ao mesmo tempo, as já centenas de células, lançam componentes químicos para anular a acção do sistema imunológico do interior do útero. Se não fizessem isso, o corpo da mãe identificaria um organismo diferente em seu interior como se fosse um invasor e o destruiria.
9 Dias O sexo pode ser determinado.
14 Dias A menstruação da mãe é suspensa, graças ao hormônio produzido pelo seu bébé.
18 Dias Coração e olhos sendo formados.
20 Dias Surgem fundamentos do cérebro, da coluna e do sistema nervoso.
24 Dias O coração começa a bater.
30 Dias O embrião cresceu 6 a 7 mm. O cérebro atinge proporções humanas. O sangue flui pelas veias, mas separado do sangue materno.
35 Dias A glândula pituitária no cérebro está a formar-se. Boca, orelhas e nariz tomam forma.
40 Dias O coração atinge 20% do rendimento que terá quando adulto.
42 Dias O esqueleto está formado. O cérebro coordena os movimentos dos músculos e órgãos. Iniciam-se as respostas a reflexos. Nos meninos, o pénis está a ser formado.
43 Dias Ondas cerebrais podem ser registadas.
45 Dias Iniciam-se movimentos espontâneos. Começam a brotar o que, no futuro, serão os dentes de leite.
7 Semanas Os lábios tornam-se sensíveis ao toque. As orelhas assumem os padrões da família.
8 Semanas Todos os órgãos estão presentes. O coração bate vigorosamente. O estômago produz sucos digestivos (gástricos). O fígado fabrica células sanguíneas. Os rins começam a funcionar. Já tem paladar. A criança mede 3 cm aproximadamente e pesa pouco mais do que uma grama.
9 Semanas A criança pode abrir e fechar as mãos, como se estivesse a apertar um objecto. As unhas estão a ser formadas. Começa a chupar o dedo.
10 Semanas O corpo é sensível ao toque. A criança pisca, engole e franze as sobrancelhas.

Extraído de Jaime Kemp; “Turbulentos anos da adolescência”; Editora Sepal; pp. 29-31

O aborto é sempre lamentável. Torna-se extremamente condenável quando é premeditado, ou voluntário. É das maiores barbaridades, dos maiores crimes que a humanidade pode e tem cometido.

A questão do aborto é a questão básica e essencial do valor da vida. Ninguém pense que a questão do aborto termina em si própria, ou que pode ser isolada de toda as outras questões fundamentais da vida e dos direitos humanos. Aceitar o aborto voluntário é desprezar a vida humana. Liberalizar o aborto é abrir a porta para uma sociedade que não vai valorizar a vida humana. Como tal, a auto-imagem torna-se extremamente baixa, a crise existencial agrava-se, o egoísmo acentua-se, a irresponsabilidade “dispara”, o desrespeito estabelece-se como comportamento normativo, o engano e a traição tornam-se prática constante, a violência e a criminalidade atingem índices incontroláveis.

O egoísmo, a superficialidade, o hedonismo e consequente eudeusamento do conforto vigentes na nossa sociedade tem-na tornado cega. As pessoas vivem em função do que vêem e do que sentem. Não vêem o feto formado e querem sentir-se bem. Por isso procuram desculpar e legitimar aquilo que é aberrante. Alguém disse que se as barrigas das grávidas fossem transparentes, ninguém conseguiria praticar o aborto. Mas a nossa sociedade não pode considerar apenas o que vê. Só porque ainda não se vê a pessoa, não significa que ela não exista e não tenha o mesmo valor. E dizemo-nos sociedade moderna... e sofisticada (creio que o termo “pós-moderna” vem bem a propósito para caracterizar a nossa sociedade. É que estamos mesmo numa fase pós-moderna: estamos a perder a modernidade, a inteligência razoável e estamos a entrar numa fase completamente tribal e animalesca).

Algumas pessoas querem fazer crer que a lei que proíbe o aborto está obsoleta e ultrapassada e que liberalizar tal acto é ser moderno. Isto é mentira. Repito: aceitar e promover tamanha barbaridade é voltar a uma sociedade tribal e animalesca. É voltar atrás. É andar para trás.

Qual a inteligência e razoabilidade de uma lei que diz que até às 10 semanas o aborto não é crime; a partir das 10 semanas já é?! As pessoas já não sabem o que é certo e errado. Não conseguem sequer ser razoáveis. O pior é que essa atitude repercute-se em todas as outras áreas da vida, deixando as pessoas desnorteadas, sem saberem como serem felizes.

Desde quando é que um acto é crime ou não dependendo do tempo em que é praticado? Isto é contra-senso e hipocrisia. Um crime não depende apenas da lei, pois as leis são imperfeitas, feitas por homens imperfeitos. Por definição, crime é não somente infracção a um preceito da lei, mas infracção da moral. A comunidade internacional não precisou ficar à espera que a Alemanha reconhecesse as práticas nazis de crimes para declarar, “crime contra a humanidade”. Era por demais evidente independentemente das leis do país. Pois o aborto é crime contra a humanidade. É pôr termo, de uma forma abrupta e sem escrúpulos, a uma vida humana. Isso tem um nome: homicídio. Não há forma de descriminalizar um acto desta natureza. Matar uma pessoa, só porque ainda não foi vista fora do útero da mãe já não é homicídio? É um homicídio menor? Pois declaro que é ainda pior. Quando uma pessoa com uma certa idade é assassinada, estamos diante de um homicídio de meia vida, ou ¼ de vida (dependendo do tempo que viveu e do tempo que ainda viveria). Num homicídio por via de aborto, mata-se uma vida inteira. Quando é assassinada uma pessoa com alguma idade, mata-se alguém que tem algumas possibilidades de defesa. Num caso de aborto, mata-se alguém completamente indefeso. Este princípio é aplicado nas crianças e deveria sê-lo ainda mais à vida humana no útero maternal.

Os danos para esta prática são muitos, incalculáveis e incontroláveis. Alguns danos para a sociedade no seu geral já foram verificados. Vejamos agora para os directamente envolvidos: Para o bebé, a morte, negando-lhe a possibilidade da vida. Para a mãe, problemas graves no futuro de auto-estima, de culpa, de infelicidade e amargura (situações pouco ou nada faladas, mas imensamente verificadas). Se não tiver problemas com a sua consciência, estará então numa situação ainda mais trágica: orgulho, egoísmo exacerbado, insensibilidade extrema, desprezo completo da vida humana e do seu semelhante, o que leva a pessoa a uma infelicidade ainda maior. A infelicidade de não conseguir amar nem dar amor.

O dano de praticar aborto é incomparavelmente pior do que assumir uma gravidez por muito complicadas que sejam as circunstâncias (gravidez na adolescência, etc.). Não há desculpas, nem argumentos, nem justificações para tamanha barbárie. O argumento de que “a barriga é minha e eu faço o que quero com ela” é completamente narcísico e destrutivo. Só porque tenho alguém na minha casa, ou na minha propriedade, não me dá o direito de matá-lo (a não ser que ponha em risco a minha ou a vida de alguém). Isto é absurdo! A base da democracia e dos direitos humanos é que “a nossa liberdade termina onde começa a do outro”.

O argumento de que liberalizando baixa-se a prática (considerando que o fruto proibido é o mais apetecido) e reduzem-se os riscos (como por exemplo, o prejuízo para a grávida por praticar o aborto por pessoas ou circunstâncias indevidas) é um engano por demais básico. Nunca uma prática tem sido reduzida pela liberalização. Os países onde isso acontece são uma prova. Apenas outro exemplo: onde existe a liberalização da droga o consumo aumenta muitíssimo. A irresponsabilidade aumentará sobremaneira com a liberalização, pois não importa mais pensar nas consequências, pois alguém pagará a conta por nós. O sexo irresponsável aumentará, trazendo com ele mais problemas de desestruturação emocional, da família e incremento das doenças sexualmente transmissíveis. Os riscos aumentarão e os danos também.

Será que alguém ainda tem coragem de dar licença para matar?!

Hugo Pinto
extraido do site:
Portal Evangélico

Se é português e vota, dia 11 de Fevereiro, VOTE NÃO, diga SIM à vida

 

SIM à vida editou às 13:33
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Tiago a 22 de Setembro de 2008 às 19:24
Eu recomendo fortemente um emocionante vídeo: http://es.youtube.com/watch?v=pJtlrYmZe6Y
Foi feito para fomentar uma maior aceitação social das crianças na Alemanha. Foi realizado por diversos meios de comunicação privados, dentro de uma campanha que contou com o apoio de personalidades da vida pública, apresentadores de televisão e esportistas que não cobraram cachê pela sua participação. Também receberam o apoio de importantes grupos editoriais e financeiros. Desde a liberalização do aborto no país os dados oficiais falam de quatro milhões de abortos, e não é leviano dizer que a cifra real seja o dobro. Este clima tem provocado que as crianças sejam valorizadas como um efeito não desejado do prazer sexual. Curiosamente, depois da campanha, a natalidade tem crescido na Alemanha.
Santiago Chiva (Granada, Espanha)

Comentar post

Maio 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31

SIM à vida

Em Portugal desaparecem d...

Pela vida...

Nova linha para crianças ...

Carta de um feto

Não PODEMOS esquecer...

A legalização do maior cr...

Encontrem, Madeleine McCa...

Dia negro para a vida

ASSIM NÃO

Dá que pensar...

Consulte arquivos

Maio 2009

Dezembro 2008

Julho 2008

Maio 2008

Agosto 2007

Julho 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Amigos da vida


Aborto Não Obrigado
Por ti não aborto

www.portoxxi.com

No Caminho da fé


Caminho de fé
Liberdade Cristã (blog)
Liberdade Cristã (site)
Busca primeiro o Reino

pesquisar

 

Estou no...








Estou no Blog.com.pt

E você, blogaqui?
blogs SAPO

subscrever feeds

tags

todas as tags

Crianças desaparecidas


SOS Crianças

Para mais informação visite o site da Policia Judiciária.

Policia Judiciária

Alexandre da Silva Gabriel

Cláudia Alexandra Sousa

Madeleine Mccann

Rita Monteiro

Rui Pedro Mendonça

Sofia Oliveira